Aqui o autor - Dieter Dellinger - ex-redator da Revista de Marinha - dedica-se à História Náutica, aos Navios e Marinha e apresenta o seu livro "Um Século de Guerra no Mar"
Segunda-feira, 22 de Maio de 2017
Navio "Atlântida" proporcionou lucros excessivos a quem o comprou em Portugal

 

 

O navio "Atlântida" valia, segundo os construtores cerca de 50 milhões de euros e foi vendido à empressa "Mystric Cruises SA" de Mário Ferreira da Douro Azul por 8,7 milhões de euros que, por sua vez, o "vendeu" a uma empresa maltesa que fundou, a "Trade Winds Limited" por 11,5 milhões para ser revendido a noruegueses por 17 milhões de euros.

Pela empresa "maltesa" a compra foi assinada pelo advogado Miguel Reis.

Em síntese, o Governo Passos Coelho vendeu ao desbarato por incompetência, falta de esforço ou corrupção o navio que foi comprado por noruegueses que mais percebem de navios e possuem uma das maiores frotas de navios de cruzeiro do Mundo.

O Estado perdeu 8,3 milhões de euros, estando o Ministério Público a investigar, mas secretamente. Apenas o Expresso deu a notícia sobre o assunto, além de um blog.

 



publicado por DD às 15:02
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?

Domingo, 30 de Abril de 2017
Coreia: Desencontros militares.

 

 

 

Trump disse que o porta-aviões americano "Carl Vinson" estava a caminho da península coreana quando se encontra a mais de 5.600 km de distância em manobras no Índico com a marinha australiana.

A agência noticiosa russa Sputnik diz que o navio com a sua escolta chegou ontem às águas coreanas, mas o "Der Spiegel" on line afirma o contrário. A esquadra ainda está perto do Norte da Austrália.

O Pentágono diz que houve um engano de comunicação que eu não acredito. Trump disse, mas não foi a sério. Os americanos se quiserem atacar não avisam. A realidade é que não querem porque não acreditam no puto ditador da Coreia do Norte que tem um poder ínfimo comparado com a Coreia do Sul, apesar dos seus 1,2 milhões de soldados e os 545 aviões (todos muito antiquados) mais 3.500 tanques dos anos sessenta e setenta de fabrico russo.

A Coreia do Norte não tem mísseis antiaéreos do tipo "Sidewinder" nem outros e, menos ainda, mísseis antitanques. A Coreia do Sul tem tudo muito moderno e possui o dobro dos habitantes e um PIB dez vezes superior ao da Coreia do Norte.

Os russos dizem que possuem mísseis capazes de anular as comunicações americanas como se o princípio dos "jammers" não fosse conhecido dos americanos há mais de 75 anos e não servisse para anular também o "jamming".

Estupidamente, a agência russa "Sputnik" dá argumentos para permitir a Trump aumentar o orçamento militar e aumentar o negócio do complexo capitalista militar-industrial. A Boeing fabrica os novos Tomahawk supersónicos com robots e um lucro extraordinário. E são equipados com "cabeças inteligentes" que procuram os alvos determinados sem guiamento rádio ou radar.

O grande capital ganha mais em fabricar milhares de mísseis do que em prestar cuidados de saúde aos 60 milhões de americanos pobres e pagar reformas de sobrevivência.

Andam todos a dar tiros em si mesmo quando ameaçam os EUA.

 



publicado por DD às 23:22
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?

Sábado, 22 de Abril de 2017
Submarino USS West Virginia dispara um Míssil SLBM (Balístico Nuclear)

 



publicado por DD às 22:49
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?

Sexta-feira, 7 de Abril de 2017
Chris Bertish completa travessia atlântica em SUP

 

O aventureiro e navegador sulafricano em prancha cabinada Chris Bertish conseguiu completar a proeza a que se tinha proposto: atravessar o Oceano Atlântico em cima de um Stand Up Paddle (SUP). 

 

Bertish usou a sua prancha de Stand Up Paddle, preparada especialmente para a aventura, e remou durante 93 dias entre Agadir (Marrocos), o ponto de partida, e Antígua (Caribe), o local de chegada. Nesse período esteve sujeito a uma forte exposição solar, às súbitas mudanças climatéricas e correntes de mar aberto, sem qualquer ajuda exterior. 

Chegou a ser atacado por um tubarão que quias engulir a sua antena de radar, mas pouco antes fechou a boca e retirou-se. O animal reparou a curta distância que aquilo não era comestível. Os tubarões veem pouco e orienta-se pelo cheiro e frequências emitidas pela vida animal.

Por dia, o sul-africano remou cerca de 50 km, o equivalente mais ou menos a uma maratona, uns dias mais outros dias menos, totalizando cerca de 6500 km no total da aventura. 

Dormia na cabine impermeável que não deixaria o barco ou pranche afundar-se e comia barras congeladas proteícas e carne seca. Comia todos os dias o mesmo e levava um filtro de água salgada que não funcionou como desejava, pelo só podia beber 5 litros de água por dia em vez de doze como estava planeado, mas aguentou.

O objetivo principal da iniciativa foi o de angariar fundos para a Fundação The Lunch Box, que cuida de crianças carentes na África do Sul e realça a importância da preservação dos Oceanos. 

 

 



publicado por DD às 22:09
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?

Terça-feira, 4 de Abril de 2017
A Mentira do Fim das Pescas Nacionais

 

 

Muita gente não acredita nas estatísticas e despreza a análise das mesmas.

Por isso surgiu há tempos a mentira de que as pescas em Portugal tinham acabado e não há peixe nem barcos.

Parece quando se olha para alguns números, mas não é verdade. Segundo o INE, existiam em 1985 em Portugal 18.540 embarcações com 210.000 toneladas de arqueação bruta e atualmente o quantitativo de embarcações está reduzido para 1.556.

Só que entre os barcos pesqueiros de 1085, 11.512 eram a remos ou vela e os atuais são praticamente todos a motor, nem que seja um fora de bordo, além de terem guinchos motorizados para puxar as redes, mesmos nos mais pequenos que trabalham assim com tripulações em geral de dois homens apenas.

É evidente que a produtividade do motor e dos guinchos numa embarcação é superior à de alguns cinco ou mais chatas a remos e dois homens chegam a substituir uns vinte remadores/pescadores.

O mesmo acontece com o stock de peixes nos mares portugueses que sempre variaram muito de espécie parta espécie e conforme os anos e às vezes a pesca aparentemente excessiva aumenta a biomassa vegetal das águas, facilitando o crescimento de certas espécies, etc.

A aquicultura em Portugal é reduzida como na Europa que não ultrapassa os 4% do peixe consumido, estando largamente concentrada na China, Vietname e outros países asiáticos. Quase metade da população mundial vive em países ribeirinhos do Mar da China e Índico.



publicado por DD às 00:25
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?

Segunda-feira, 12 de Dezembro de 2016
Expresso: Ana Gomes quer Reabrir Processo dos Submarinos

 

Eurodeputada defende uma nova investigação com base nas informações reveladas nos “Panama Papers”

Susana Freitas

O processo dos submarinos foi arquivado há dois anos, mas Ana Gomes afirma que há dados novos, revelados nos “Panama Papers”, que justificam que se volte a olhar para o caso. A eurodeputada defende que a Procuradoria-Geral da República deveria reabrir o processo e quer levar a investigação também para o Parlamento Europeu. A socialista propôs, esta semana, que a Comissão Parlamentar aos “Panama Papers” — de que é vice-presidente — estude o que considera ser “um caso de corrupção de alto nível” a envolver dois Estados membros, Portugal e Alemanha.

Ana Gomes afirma que falta ainda revelar quem foram os beneficiários de cerca de 10 milhões de euros, de “luvas pagas pelos fornecedores alemães”, no negócio dos submergíveis adquiridos pelo Estado português. Defende que as revelações recentes podem ajudar a seguir o rasto do dinheiro que foi transferido para um Fundo nas Bahamas — o FELLTREE Investment Fund. A transferência terá sido feita pela ESCOM, uma empresa de consultoria que pertencia ao Grupo Espírito Santo e que representava o consórcio de fornecedores alemães.

Durante a investigação, o Ministério Público português nunca conseguiu a cooperação das autoridades das Bahamas para esclarecer detalhes. “Graças aos ‘Panama Papers’, hoje sabe-se que o FELLTREE Fund nas Bahamas é detido por um FELLTREE Fund no Panamá”, explica a eurodeputada, acrescentando que os acionistas pertencem a “uma companhia de advogados na Suíça, que atuam como intermediários e que ofuscam os beneficiários últimos”.

Plano B

Na sequência do escândalo de evasão fiscal revelado por um Consórcio de Jornalistas — e que o Expresso publicou em Portugal —, o Parlamento Europeu decidiu criar uma comissão parlamentar para investigar alegadas contravenções relacionadas com o branqueamento de capital e evasão fiscal. A chamada comissão “PANA” deverá avançar com recomendações políticas para combater este tipo de problemas, mas decidiu também debruçar-se sobre o estudo de um caso concreto, que Ana Gomes propõe que seja o dos submarinos.

A proposta terá de ser avaliada pelos eurodeputados, mas há mais iniciativas em cima da mesa e a comissão parlamentar só poderá escolher um case study. A eurodeputada portuguesa acredita que pode ter o apoio dos Verdes e dos colegas socialistas, mas não tem tanta certeza sobre uma posição favorável de eurodeputados alemães e do Partido Popular Europeu, onde têm assento PSD e CDS.

A proposta entregue à Comissão parlamentar explica o caso a eurodeputados que nunca ouviram falar dele e inclui uma lista de nomes que, segundo Ana Gomes, deveriam ser ouvidos, incluindo Durão Barroso e Paulo Portas, por estarem envolvidos na decisão da compra dos submarinos.

“E se não houver uma investigação feita pela comissão parlamentar, haverá uma investigação feita por um conjunto de deputados”, promete Ana Gomes. Diz ter preparado um plano B, caso o Parlamento Europeu escolha analisar a fundo um outro tema e deixe de fora os submarinos. Prefere não revelar para já nomes mas adianta que terão “meios” para financiar a investigação. A eurodeputada, que foi assistente no processo dos submarinos, diz nunca se ter conformado com o arquivamento em 2014. A Comissão PANA poderá tomar uma decisão sobre a escolha do “estudo de caso” no início do próximo ano. nas informações reveladas nos “Panama Papers



publicado por DD às 19:31
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?

Segunda-feira, 14 de Novembro de 2016
10 Corvetas Modernas

 

 



publicado por DD às 18:15
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?

Sábado, 24 de Setembro de 2016
Graneleiro Afundado no Mediterrâneo

Afundou-se hoje ao largo da Sicília o graneleiro Mustafa Kemal:

 



publicado por DD às 22:35
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?

Domingo, 11 de Setembro de 2016
Nova Crise do "Shipping"

 

 

Setenta grandes navios porta contentores estão parados frente aos mais diversos portos do Mundo com meio milhão de contentores com mercadoria sul-coreana e chinesa no valor de 12,4 mil milhões de euros. São contentores com material Samsung e LG e muita coisa mais destinado principalmente às vendas de Natal nos EUA, Canadá, países da União Europeia, etc.

Está em curso uma das maiores falências do Mundo capitalista de sempre. O armador sul-coreano Hanjin Shipping está literalmente falido com uma dívida superior a 5,5 mil milhões de dólares e é o terceiro ou quarto maior do Mundo. O segundo armador sul coreano, a Hyunday Merchant Marine, também está próximo da insolvência com dívidas de 4,8 mil milhões de dólares ao qual se associa a empresa de aviação sul coreana “Corean Airline” e o banco do grupo mais, eventualmente, as fábricas de automóveis Hyunday, a não ser que seja tudo desagregado da holding e aceite pelos tribunais.

Os navios da Hanjin estão parados porque o armador tem medo de que sejam arrestados pelos tribunais dos diversos países e porque alguns portos não aceitam a descarga dos navios. Apenas os tribunais dos EUA permitiram que descarreguem os contentores com material destinado ao mercado norte-americano na base que o não descarregamento acarreta graves prejuízos a terceiros. Claro que outra razão é que nos capitais das empresas coreanas, incluindo este armador, há fundos americanos que fazem parte do pequeno grupo de dez que controla metade da riqueza mundial.

As tripulações não recebem ordenado há meses e em muitos navios foi cortado o ar condicionado e a alimentação e água estão a ser racionadas por impossibilidade de compra nos portos.

A falência resulta de uma guerra de concorrência com os armadores chineses Cosco e outros financiados pelo Estado chinês, fazendo, como tal, fretes mais baratos. Por outro lado, o tráfego de mercadorias no Mundo global recuou para valores de 1998.

A Coreia do Sul tem feito um esforço titânico de exportação e os seus navios têm praticado preços abaixo do custo porque se torna difícil encher completamente qualquer gigantesco porta contentores. A Hanjin representa cerca de 3,5% do tráfego mundial, mas mais de 60% do comércio sul coreano.

Tanto a Hanjin como a Hyunday esperam que o Estado entre com os milhares de milhões para salvar as empresas que terão de vender muitos dos seus navios num mercado que está saturado, pelo que vão receber uma ninharia se conseguirem vender.

Está em curso uma crise mundial que pode provocar mudanças incalculáveis na Ásia e, consequentemente, na Europa e EUA porque está tudo interligado pelo gigantescos fundos mundiais de investimento.

Com a falência da Hanjin e quase insolvência da Hyunday Merchant, as restantes empresas armadoras de navios aumentaram já o custo dos seus fretes em cerca de 50%, pelo que o material chinês, sul coreano, japonês, indonésio, indiano, etc. ficará mais caro este Natal.

 

 

 



publicado por DD às 23:17
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?

Quinta-feira, 14 de Abril de 2016
Offshores Escondem Dinheiro das Luvas dos Submarinos

 

 

 

A Escom, Ltd, sediada no paraíso fiscal das Ilhas Virgens Britânicas, terá ocultado, segundo o Ministério Público, os beneficiários de eventuais comissões ilegais no negócio dos submersíveis. O Ministério Público suspeita de que a Escom, Ltd, uma sociedade offshore do Grupo Espírito Santo (GES) sediada nas Ilhas Virgens Britânicas, terá escondido os beneficiários das comissões ilegais que terão sido pagas no negócio dos submarinos. Como h...á suspeitas de que terão sido pagas luvas de 1,6 milhões de euros, como preço de tabela, a diversos intervenientes no negócio, vários milhões de euros terão sido ocultados na Escom, Ltd.

Offshore esconde luvas dos submarinos

A Escom, Ltd, sediada no paraíso fiscal das Ilhas Virgens Britânicas, terá ocultado, segundo o Ministério Público, os beneficiários de eventuais comissões ilegais no negócio dos submersíveis.

O Ministério Público suspeita de que a Escom, Ltd, uma sociedade offshore do Grupo Espírito Santo (GES) sediada nas Ilhas Virgens Britânicas, terá escondido os beneficiários das comissões ilegais que terão sido pagas no negócio dos submarinos. Como há suspeitas de que terão sido pagas luvas de 1,6 milhões de euros, como preço de tabela, a diversos intervenientes no negócio, vários milhões de euros terão sido ocultados na Escom, Ltd.

A suspeita sobre o papel da Escom, Ltd, consta de um documento do processo ‘Portucale’, que o CM consultou no Tribunal Central de Instrução Criminal (TCIC), onde é indicado que o German Submarine Consortium (GSC) pagou à Escom mais de 30 milhões de euros, 'com aparente desproporção face à real intervenção de tal empresa no de-senvolvimento do negócio'. O documento diz que a Escom, Ltd, terá procedido à 'ocultação dos intervenientes e dos beneficiários finais do negócio e dos circuitos financeiros, em particular quanto ao pagamento de comissões com permanência no tempo e sem aparente explicação na lógica da associação entre o GSC e a Escom'.

O documento, assinado pelos procuradores Auristela Pereira e Rosário Teixeira, remonta a Julho de 2006, mas adquire uma nova actualidade após a revelação, em Abril deste ano, dos resultados da investigação do Ministério Público alemão à venda dos submarinos a Portugal. Até por causa das suas semelhanças.

Em 2006, a investigação portuguesa, a cabo da PJ e do DCIAP, apurou que 'a Escom Espírito Santo Commerce, SA, recebeu avultados pagamentos, a título da prestação de serviços, do GSC' e 'efectuou pagamentos a outras instituições não totalmente identificadas, no âmbito desse contrato de aquisição de submarinos, justificados, ‘aparentemente’, como contrapartidas, apoio jurídico e ‘fees’ [comissões] mensais'.

E em Abril de 2010 soube-se que as autoridades alemãs encontraram, após buscas à Ferrostaal (firma que integra o GSC), mais de uma dúzia de contratos de mediação e consultadoria que se destinavam a disfarçar o pagamento de alegadas luvas a 'decisores do Governo, dos ministérios e da Marinha de Portugal'.

As duas investigações apontam ainda para o pagamento de comissões de valor-base igual para os vários intervenientes. E essas luvas terão passado por um circuito financeiro que incluía, segundo as autoridades alemãs, a Escom, Ltd, e a Espírito Santo Resources.

SAIBA MAIS

CONCEITO DE OFFSHORE

Um offshore, ou paraíso fiscal, é um país ou região com um regime fiscal favorável para empresas e indivíduos estrangeiros. É usado para esconder a origem de dinheiro ou fugir ao fisco.

72

é o número de paraísos fiscais no mundo, segundo as estatísticas. O número quase duplicou nos últimos 25 anos.

1000

milhões de euros é a quantidade de dinheiro sujo anual que se estima possa entrar nos offshores.

MAR DAS CARAÍBAS

As Ilhas Virgens Britânicas, onde está sediada a Escom, Ltd, situam-se no mar das Caraíbas. São um território britânico ultramarino.

ESCOM GARANTE CONDUTA ÉTICA

O CM confrontou o Grupo Escom com as suspeitas do Ministério Público, mas os seus responsáveis remeteram para um esclarecimento anterior. É assim que o Grupo Escom garante que 'ao longo de todo o processo, pautou permanentemente a sua conduta pelos mais rigorosos padrões éticos, tal como é sua prática em todas as operações em que está envolvido'.

O Grupo frisa que 'cumpriu escrupulosamente todas as obrigações assumidas, tendo sido remunerado de acordo com as disposições do contrato'. E assegura que 'não teve qualquer intervenção na elaboração ou na negociação do contrato celebrado entre o Estado português e o GSC nem tem, neste âmbito, qualquer contrato com o Estado português'.

CRONOLOGIA

30/01/98 – Resolução do Conselho de Ministros (RCM) n.º 14 aprova Programa Relativo à Aquisição de Submarinos.

23/11/00 – Após a fase das negociações com o Estado português, que terminou a 7 de Novembro de 2000, DCN-I e GSC apresentaram as suas propostas.

05/05/03 – RCM n.º 67 aprova alterações no PRAS, depois de o Governo da coligação PSD-CDS ter efectuado um estudo exaustivo ao PRAS.

06/11/03 – Governo aprova a adjudicação dos dois submarinos ao GSC, com base em proposta apresentada pelo então ministro da Defesa, Paulo Portas.

21/04/04 – Os contratos de aquisição e contrapartidas dos submarinos são assinados por Paulo Portas e representantes do GSC.

06/01/05 – Departamento de Auditoria do BES informa o DCIAP, no âmbito da lei sobre o branqueamento de capitais, do depósito fraccionado de mais de um milhão de euros na conta do CDS-PP.

01/10/09 – Ministério Público acusa dez gestores de burla qualificada e falsificação de documentos no âmbito do contrato de contrapartidas dos submarinos. 

PORTAS E PINHEIRO FORAM APANHADOS NAS ESCUTAS

Paulo Portas e Abel Pinheiro, então dirigente e responsável financeiro do CDS-PP, foram apanhados, no âmbito das intercepções telefónicas efectuadas no processo ‘Portucale’, em conversas suspeitas, que reforçaram os indícios de eventuais ilegalidades na aquisição dos submarinos ao consórcio alemão.

Em concreto, 'no decurso das escutas telefónicas foram interceptadas algumas conversas entre Abel Pinheiro e Paulo Portas, na altura responsável pelo Ministério da Defesa e líder do CDS-PP, que reforçam as suspeitas da existência de acordos ou de ‘compromissos’ secretos, citando--se a propósito as sessões 1358 e 4370', refere o documento assinado pelos procuradores Auristela Gomes Pereira e Rosário Teixeira, do Departamento Central de Investigação e Acção Penal (DCIAP).

Com as suspeitas a apontarem na direcção do negócio dos submarinos, os investigadores, na sequência de buscas efectuadas às instalações da Escom e da Espírito Santo Resources, ambas do Grupo Espírito Santo, recolheram documentos que indicarão ter havido 'uma imposição da presença da Escom como intermediário desejado pelos representantes do Estado português'.

O Grupo Escom diz que 'apenas celebrou com o GSC um contrato pelo qual se obrigou unicamente a prestar assessoria na elaboração de uma estratégia global para o pacote de contrapartidas, no âmbito das regras legais aplicáveis ao concurso, e que incluía a prospecção e recomendação de eventuais fornecedores nacionais passíveis de serem integrados nessa mesma estratégia'.

CONTRATO FEITO À MEDIDA DE CONSÓRCIO

O DCIAP continua a investigar a compra dos submarinos ao GSC. E no processo das contrapartidas dos submarinos há um documento revelador do avanço da investigação.

As suspeitas indicam que 'os representantes do Estado português conduziram as negociações e celebraram aqueles contratos de forma a favorecerem os interesses do consórcio em detrimento do Estado português, em resultado do que o referido consórcio lhes terá proporcionado, a si ou a entidades terceiras, vantagens patrimoniais relevantes, que aqueles aceitaram'.

CONTAS DO CDS INVESTIGADAS

As contas do CDS-PP de 2004 e 2005 estão a ser alvo de investigação no âmbito do processo sobre a compra dos submarinos.

Ao que o CM apurou, os investigadores mantêm as suspeitas, como já tinha sido revelado no caso ‘Portucale’, de que o CDS-PP terá beneficiado de financiamentos oriundos da aquisição dos submarinos, cuja adjudicação ao GSC foi da responsabilidade de Paulo Portas, então ministro da Defesa do Governo da coligação PSD-CDS.

PARECER: SANTOS SILVA E A PGR

O ministro da Defesa já recebeu o parecer do Conselho Consultivo da PGR sobre o contrato dos submarinos, mas decidiu fazer novas perguntas sobre este assunto

CUSTO: PREÇO DERRAPA MILHÕES

O preço-base dos submarinos derrapou 63,6 milhões de euros, segundo o Ministério das Finanças, por força de ter sido actualizado após a assinatura do contrato

PROCESSO: CONTRAPARTIDAS

O processo das contrapartidas dos submarinos está em instrução. O Ministério Público pede uma indemnização de quase 34 milhões de euros a três gestores alemães e sete portugueses

 

A suspeita sobre o papel da Escom, Ltd, consta de um documento do processo ‘Portucale’, que o CM consultou no Tribunal Central de Instrução Criminal (TCIC), onde é indicado que o German Submarine Consortium (GSC) pagou à Escom mais de 30 milhões de euros, 'com aparente desproporção face à real intervenção de tal empresa no desenvolvimento do negócio'. O documento diz que a Escom, Ltd, terá procedido à 'ocultação dos intervenientes e dos beneficiários finais do negócio e dos circuitos financeiros, em particular quanto ao pagamento de comissões com permanência no tempo e sem aparente explicação na lógica da associação entre o GSC e a Escom'.

O documento, assinado pelos procuradores Auristela Pereira e Rosário Teixeira, remonta a Julho de 2006, mas adquire uma nova actualidade após a revelação, em Abril deste ano, dos resultados da investigação do Ministério Público alemão à venda dos submarinos a Portugal. Até por causa das suas semelhanças.

 



publicado por DD às 10:59
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?


mais sobre mim
pesquisar
 
Maio 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
23
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

Navio "Atlântida" proporc...

Coreia: Desencontros mili...

Submarino USS West Virgin...

Chris Bertish completa tr...

A Mentira do Fim das Pesc...

Expresso: Ana Gomes quer ...

10 Corvetas Modernas

Graneleiro Afundado no Me...

Nova Crise do "Shipping"

Offshores Escondem Dinhei...

arquivos

Maio 2017

Abril 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Setembro 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Agosto 2015

Dezembro 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Agosto 2013

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Outubro 2011

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Dezembro 2008

Agosto 2008

Junho 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Dezembro 2007

Junho 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

tags

1900 - ano de paz

1904: guerra russo-japonesa

ártico

batalha da jutlândia

batalha das falklands

batalha de midway

batalha de tsushima

batalha do atlântico

batalha do mar amarelo

batalha naval na selva

bluecher

canhão e couraça

corrupção

couraçado lion

couraçado petropavlotch

couraçado queen elizabeth

couraçado scharnhorst

cruzador de batalha derflinger

cruzador vasco da gama

dieter dellinger

dieter dellinger - arquitetura naval

dieter dellinger - envc

dieter dellinger - história náutica

dieter dellinger - motores navais

dreadnought

guerra

guerra da coreia

guerra no mar

guerra russo-japonesa

guerra submarina

i guerra mundial

i. guerra mundial

i.guerra mundial

israel

kamikazes

marinha

nau

navios

paulo portas

petróleo iraniano

revista de marinha

revista de marinha - dieter dellinger

revista do mar

seydlitz

shipping

submarino borei

submarino gymnote

submarinos

submarinos u209pn

torpedo e submarino

u-9

todas as tags

links
contador
Contador de visita
Contador de visita
online
web counter
blogs SAPO
subscrever feeds