Aqui o autor - Dieter Dellinger - ex-redator da Revista de Marinha - dedica-se à História Náutica, aos Navios e Marinha e apresenta o seu livro "Um Século de Guerra no Mar"
Quarta-feira, 27 de Junho de 2007
1900: Ano de Paz - I. Post da História da Guerra Naval no Século XX
 

 

 

O ano de 1900 foi, sem dúvida, um ano de Paz nos mares e em terra; a parte mais importante da guerra dos bóeres no sul de África terminava com a batalha de Paderberg, enquanto os Balcãs se mantinham numa certa quietude, três anos após a guerra greco-turca. Na China, dava-se a Revolta dos Boxers que fez reunir no golfo de Taku esquadras da Inglaterra, EUA, Alemanha, Áustria, Itália e Japão unidas na tentativa de impedir a ascensão do nacionalismo chinês e na vontade de esquartejarem entre si o milenário Império do Meio. Talvez, só agora, depois de outra data mágica, o ano 2000, é que forças de todas aquelas nações poderão voltar a reunir-se sob a bandeira das Nações Unidas para manter uma paz ou guerra latente em qualquer ponto do Globo.

 

Enfim, o primeiro ano do Século das Guerras Perdidas começou como se nada de grave pudesse vir a suceder no futuro e a Paz e a Prosperidade seriam já uma consequência do elevado grau de civilização alcançado pelas nações desenvolvidas. Considerava-se então que nações ditas civilizadas como a Alemanha, a Inglaterra, a França, a Itália, a Rússia e outras não seriam capazes de entrar em guerra entre si e que os conflitos futuros seriam só com povos incivilizados das colónias dos diversos impérios.

 

Faltavam ainda alguns anos para começar aquilo que o historiador britânico Eric Hobsbawn designou por Idade dos Extremos no seu livro que recebeu ainda o título de O Curto Século XX; 1914-1991. Para este historiador, o Século que terminou foi o das três Guerras Mundiais; duas quentes e uma fria com alguns afluxos de alta temperatura bélica como as guerras da Coreia e do Vietname, além das eternas guerras israelo-árabes e das muitas guerras coloniais.

Por isso, escrever sobre o Século XX, focando o sempre dramático fenómeno guerra, não pode deixar de ser. em primeiro lugar e sempre, uma manifestação de profundo respeito pelas mais de cento e vinte milhões de vítimas mortais, quase dez por cento da população do planeta no dealbar do Século com o desejo que essas vítimas não fiquem esquecidas, qualquer que seja o modo e o lado porque tombaram.

 

Em 1900 não tinha começado o duelo naval anglo-germânico, apesar do Reichstag (parlamento alemão) ter aprovado, dois anos antes, a chamada Lei Naval, inspirada pelo almirante Tirpitz, então Ministro da Marinha do Império Alemão. Só a partir de 1905 é que a Alemanha do Imperador (Kaiser) Guilherme II deveria estar dotada de uma esquadra de 19 couraçados, seis grandes cruzadores e 16 cruzadores ligeiros, além de numerosas unidades menores, o que estava longe de ser suficiente para ameaçar a gigantesca marinha britânica, mesmo que pouco modernizada então.

 

 

 

No início do Século, o Imperador dos alemães, além de sobrinho do Rei Eduardo VII do Reino Unido e neto da Rainha Vitoria, era igualmente almirante honorário da marinha britânica, pelo que tinha o hábito de visitar a Inglaterra no seu iate Hohenzollern, prodigalizando-se nos muitos conselhos que dava sobre a arte de governar e dirigir uma marinha de guerra.

Apesar dos seus laços familiares com a casa reinante da Grã-Bretanha, o Imperador alemão lançou-se num corrida aos armamentos navais com os britânicos, colocando assim uma "Alsácia-Lorena" sob a forma da poderosa esquadra alemã entre as duas grandes nações. Com isso, o Kaiser acabou por forçar uma aliança entre a Inglaterra e a França que deseja recuperar o território perdido em 1871 e cimentava uma aliança com a Rússia. Lentamente ia-se abaixo o equilíbrio defendido por Bismarck e a Alemanha, sob a direcção de um inútil, o Imperador Guilherme II,  começava a política que a iria conduzir à catastrófica guerra de 1914-18 que, por sua vez, originou a guerra de 1939-45, quando a Alemanha caiu de novo nas mãos de um político completamente mentecapto, neste caso Adolfo Hitler.

 

Mas, no início do Século, o mar era pacífico e assim tinha sido após o fim das guerras napoleónicas; depois das quais a força naval foi utilizada esporadicamente em complemento de operações bélicas terrestres. Efectivamente, o mar tinha deixado de ser aquilo que foi durante séculos; um eterno palco de combate, tanto entre nações europeias que em terra até mantinham relações pacíficas como entre estas e piratas e meios navais de nações atrasadas. A chamada pirataria barbaresca acabou de vez quando forças europeias e até americanas atacaram Tunes e outros portos das costas do Norte de África e a França conquistou todos aqueles territórios. Em consequência da derrota da pirataria, a meados do Século XIX, as marinhas de guerra separaram-se totalmente das mercantes, pelo que os elegantes Clippers de então passaram a sulcar os mares desprovidos de qualquer armamento. Eram demasiado rápidos para serem seguidos por navios piratas que teriam sempre os dias contados dado o enorme poder das marinhas de guerra europeias e americana com as suas blindagens, máquinas a vapor e canhões que a pirataria não tinha acesso.

 

Todavia, as potências tiravam proveito dos progressos da técnica e da ciência para modernizarem os seus armamentos e pode concluir-se que foi da corrida aos meios bélicos que resultaram as guerras que de uma forma tão trágica marcaram e ensanguentaram o Século XX.

 

 

 

Ocean-2.jpg

O Couraçado britânico "Ocean" de 1900.



publicado por DD às 10:00
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?

5 comentários:
De amil a 19 de Agosto de 2005 às 11:36
Um bom dia.
Espero que as tuas férias sejam aquilo que se deseja para todos, ou seja que sejam optimas.
Um bom fim de semana e umas boas férias.
Um abraço de amil


De tron a 5 de Agosto de 2005 às 13:15
um blog perfeito, belo trabalho de pesquisa optimo para quem estuda história e mostra a enorme cultura geral do autor. Melhor que muitos concorrenetes de concursos da tv que refugiam nos nervos para negar a sua baixa cultura geral continua assim os meus parabéns


De Dieter Dellinger a 23 de Julho de 2005 às 22:07
Muito obrigado pelos elogios. Devo acrescentar que o Parlamento Alemão declarou há uns dois ou três anos atrás que a Alemanha não tem inimigos, pelo que as suas forças armadas foram reduzidas para 300 mil homens com o único objectivo de defender a Europa se isso for um dia necessário e participar em missões de Paz.

Mais importante que ganhar uma guerra é ganhar a Paz.

Mas, devo acrescentar, que sou português de nascimento e BI, mas de família alemã.


De ameanatureza a 23 de Julho de 2005 às 20:04
Bravo. Os alemães com certeza não farão guerra jamais.A reconstrução do material e do espiritual demorou na alma dos arianos. só quem perde tudo sabe quanto custa reconstruir... //Gostei da aula de história, e vc é uma pessoinha muito inteligente e esperta. Assistiu o filme "Jogos de Guerra"? - Gostei da parte que diz.. "para se ganhar esse jogo o correto é não jogar ..." em se tratando de guerra foi uma das mais inteligentes frases que já li ou ouvi. Abraços


De Jogos de Carros a 10 de Maio de 2011 às 13:46
Parabens pelo blog e pelo excelente trabalho de pesquisa. Penas que algumas imagens tenham desaparecido.


Comentar post

mais sobre mim
pesquisar
 
Maio 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
23
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

Navio "Atlântida" proporc...

Coreia: Desencontros mili...

Submarino USS West Virgin...

Chris Bertish completa tr...

A Mentira do Fim das Pesc...

Expresso: Ana Gomes quer ...

10 Corvetas Modernas

Graneleiro Afundado no Me...

Nova Crise do "Shipping"

Offshores Escondem Dinhei...

arquivos

Maio 2017

Abril 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Setembro 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Agosto 2015

Dezembro 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Agosto 2013

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Outubro 2011

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Dezembro 2008

Agosto 2008

Junho 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Dezembro 2007

Junho 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

tags

1900 - ano de paz

1904: guerra russo-japonesa

ártico

batalha da jutlândia

batalha das falklands

batalha de midway

batalha de tsushima

batalha do atlântico

batalha do mar amarelo

batalha naval na selva

bluecher

canhão e couraça

corrupção

couraçado lion

couraçado petropavlotch

couraçado queen elizabeth

couraçado scharnhorst

cruzador de batalha derflinger

cruzador vasco da gama

dieter dellinger

dieter dellinger - arquitetura naval

dieter dellinger - envc

dieter dellinger - história náutica

dieter dellinger - motores navais

dreadnought

guerra

guerra da coreia

guerra no mar

guerra russo-japonesa

guerra submarina

i guerra mundial

i. guerra mundial

i.guerra mundial

israel

kamikazes

marinha

nau

navios

paulo portas

petróleo iraniano

revista de marinha

revista de marinha - dieter dellinger

revista do mar

seydlitz

shipping

submarino borei

submarino gymnote

submarinos

submarinos u209pn

torpedo e submarino

u-9

todas as tags

links
contador
Contador de visita
Contador de visita
online
web counter
blogs SAPO
subscrever feeds