Aqui o autor - Dieter Dellinger - ex-redator da Revista de Marinha - dedica-se à História Náutica, aos Navios e Marinha e apresenta o seu livro "Um Século de Guerra no Mar"
Quarta-feira, 3 de Dezembro de 2008
Marinha Russa - II. Parte

 

 

 

 

            Como se viu do anterior artigo, a marinha de guerra da Federação Russa saiu muito enfraquecida da longa crise da transição da ditadura soviética para a democracia.

            Dos grandes navios de superfície ficou um porta-aviões e alguns cruzadores lança-mísseis.

            Para além desses navios descritos na passada edição da RM, o maior é, sem dúvida, o cruzador “Admiral Chabanenko” da classe “Udaloy II”, o único que ficou funcional desde 1995 e que participou em Janeiro passado em manobras no Oceano Atlântico com outros navios da Armada russa.

            Trata-se de um navio digno de nota e o único equivalente em poder militar aos navios americanos da classe “Arleigh Burke”. Desloca 7.700t/8.900t com um comprimento de 164 metros. Foi pois um navio construído sem preocupações com despesas como era normal na era soviética quando podia faltar tudo, mas nunca o material militar. A sua motorização é constituída por 4 turbinas a gás que accionam 4 veios e hélices, sendo duas M62 com 9 mil cavalos cada para as baixas velocidades e duas M8KF com 22.000 cavalos cada para as velocidades máximas de 32 a 34 nós.

            O armamento é importante com 2 lançadores quádruplos de mísseis anti-navio Moscit e 8 lançadores de 8 mísseis mar-ar Kinzhal e 2 Kortik, além de uma peça AK-130 automática de 130 mm e 4 canhões de seis canos tipo Gatling anti-aéreos com uma cadência de 6.000 tiros por minuto.

            O armamento anti-submarino é constituído por 30 torpedos de 533 mm lançados de dois lançadores quádruplos e ainda os velhos morteiros anti-submarinos RBU Udav e 26 minas. Os seus meios aéreos anti-submarinos são constituídos por dois helicópteros Ka-27 arrumados em dois hangares.

            Enfim, um excelente navio do qual só existe uma unidade, pois uma outra não chegou a sair do estaleiro e já foi para a sucata.

 

            O grande poder da Marinha da Federação Russa reside nos seus submarinos lançadores de mísseis e torpedos, mas ainda navegam algumas classes de excelentes destrutores ou navios lançadores de mísseis com deslocamentos equivalentes aos de antigos cruzadores, ou seja, entre as 6 mil e as 8 mil toneladas.

 

            Os oito navios da classe 1155 Udaloy I são disso um exemplo. Deslocam 6.947t/7.570t com 163 m de comprimento e motorização do tipo Cogag iguais às do Admiral Chabanenko e capacidade para disparar oito mísseis URK-5 anti-navio quase de uma só vez e para além do horizonte. Para enfrentar ameaças aéreas estes grandes navios disparam 64 mísseis anti-aéreos e anti-mísseis Kinzhal em oito lançadores de oito mísseis acrescidos de mais dois lançadores de mísseis Kortik que não estão em todas as unidades da classe. Este poder anti-aéreo é apoiado ainda em quatro canhões de seis tubos tipo Gatling AK-630. A partir de dois hangares podem actuar dois helicópteros KA-25.

            Estes navios, classificados essencialmente com anti-submarinos, são providos de um poderoso armamento anti-navio e anti-aéreo; podem disparar oito torpedos a partir de conjuntos de quatro tubos e dois morteiros RBU-600 com doze tubos para oito salvas. Os russos continuam agarrados a estes morteiros anti-submarinos que as marinhas ocidentais já não usam.

            Curiosamente, um dos navios desta classe esteve 16 anos inactivo nos estaleiros por falta de meios financeiros para uma grande reparação, mas bem conservado, pelo que entrou agora de novo ao serviço. São pois navios dos fins dos anos 80 e início dos 90, estando quatro nos mares glaciais e quatro no Pacífico.

 

 

            Outras das classes de oito grandes navios, é a do Projecto 956 “Sowremenny”, que deslocam 6200t/7800t, desenhados no fim dos anos setenta e construídos em 80 a 90 para substituir os navios mais antigos das classes Kynda e Kresta. A classe deveria ter 19 navios, mas as finanças não permitiram completar duas unidades e outras foram para a Ucrânia, pelo que os russos possuem apenas 8 navios da classe. São accionados por turbinas a vapor “Turbodruck” com 100.000 cv para atingirem os 36 nós de velocidade máxima. São capazes de disparar salvas sucessivas até aos oito mísseis anti-navios e 48 mísseis anti-aéreos a partir de dois lançadores, além de dois torpedos anti-submarinos e os inseparáveis morteiros RBU 1000. Um helicóptero completa o sistema de armas anti-submarinas.

 

            Entre estas classes de destrutores grandes ou cruzadores lançadores de mísseis, a Federação Russa ainda tem o navio “Kerkh” de 8.825t de deslocamento máximo equipado com o típico conjunto de mísseis russos anti-navio e anti-aéreo. Também é um navio soviético de 1974 que esteve recentemente ainda ao serviço da frota do Mar do Norte.

 

            A classe de dois navios Projecto 1154 é curiosa pois começou em 1972 para ser uma pequena fragata ou corveta anti-submarina para acabar numa classe de grandes navios com um deslocamento máximo de 4.400t e 3.800t standard accionados por 4 turbinas a gás que accionam dois veios, o que permite fazer 30 nós ou mais. O seu armamento é semelhante aos dos navios anteriores e podem disparar 39 mísseis anti-aéreos Kinzhal e 2 sistemas duplos de peças de 30 mm para abater mísseis de cruzeiro e outros meios aéreos. O armamento anti-submarino é constituído por 6 tubos lança torpedos de busca submarina.

 

 

 

             Os navios mais modernos da marinha russa são as corvetas Projecto 20380 – Classe “Steregushchiv” com algumas linhas invisíveis aos radares. O primeiro navio que deu o nome à classe já entrou ao serviço, enquanto quatro outros estão em acabamentos ou já em provas de mar e treino de guarnições.

 

            São navios de 1800t/2000t com propulsão Codag de 27.500 kWt que levam 8 mísseis Uran capazes de atingir alvos a 130-150 km de distância, voando à velocidade Mach 1. Além disso levam uma peça de 130 mm e um helicóptero Kamov Ka 27, dois lançadores de mísseis anti-aéreos e uma peça de seis canos de 30 mm Kortik do tipo Gatling.

 

            A Armada Russa possui ainda numerosos navios mais pequenos, essencialmente auxiliares de relativa importância militar. O poder russo nos mares reside principalmente nos submarinos lança-mísseis nucleares, os quais serão descritos em próximo artigo.

 

 Artigo de Dieter Dellinger publicado na "Revista de Marinha" de Junho/Julho 2008.



publicado por DD às 22:53
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?

1 comentário:
De José Barbosa a 23 de Dezembro de 2008 às 11:15
Os russos já á muito que perderam o comboio da tecnologia. Os americanos tem assegurada a soberania naval e aérea nos próximos 30 anos no mínimo.


Comentar post

mais sobre mim
pesquisar
 
Maio 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
23
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

Navio "Atlântida" proporc...

Coreia: Desencontros mili...

Submarino USS West Virgin...

Chris Bertish completa tr...

A Mentira do Fim das Pesc...

Expresso: Ana Gomes quer ...

10 Corvetas Modernas

Graneleiro Afundado no Me...

Nova Crise do "Shipping"

Offshores Escondem Dinhei...

arquivos

Maio 2017

Abril 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Setembro 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Agosto 2015

Dezembro 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Agosto 2013

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Outubro 2011

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Dezembro 2008

Agosto 2008

Junho 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Dezembro 2007

Junho 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

tags

1900 - ano de paz

1904: guerra russo-japonesa

ártico

batalha da jutlândia

batalha das falklands

batalha de midway

batalha de tsushima

batalha do atlântico

batalha do mar amarelo

batalha naval na selva

bluecher

canhão e couraça

corrupção

couraçado lion

couraçado petropavlotch

couraçado queen elizabeth

couraçado scharnhorst

cruzador de batalha derflinger

cruzador vasco da gama

dieter dellinger

dieter dellinger - arquitetura naval

dieter dellinger - envc

dieter dellinger - história náutica

dieter dellinger - motores navais

dreadnought

guerra

guerra da coreia

guerra no mar

guerra russo-japonesa

guerra submarina

i guerra mundial

i. guerra mundial

i.guerra mundial

israel

kamikazes

marinha

nau

navios

paulo portas

petróleo iraniano

revista de marinha

revista de marinha - dieter dellinger

revista do mar

seydlitz

shipping

submarino borei

submarino gymnote

submarinos

submarinos u209pn

torpedo e submarino

u-9

todas as tags

links
contador
Contador de visita
Contador de visita
online
web counter
blogs SAPO
subscrever feeds