Aqui o autor - Dieter Dellinger - ex-redator da Revista de Marinha - dedica-se à História Náutica, aos Navios e Marinha e apresenta o seu livro "Um Século de Guerra no Mar"

Sexta-feira, 15 de Junho de 2007
Batalha Naval na Selva

    O Königsberg foi outro dos cruzadores alemães que navegou como corsário nas águas do Índico. Fazia parte da mesma classe que o Emden, estando também armado com 10 peças de 105 mm de tiro rápido.

 

   Quando eclodiu o conflito mundial, estava ao largo da costa oriental africana. Não foi tão famoso como o Emden pois teve uma vida de acção relativamente curta, apesar de ter conseguido também afundar alguns navios mercantes britânicos, além do cruzador Pegasus de 2.135 t., armado com 8 peças de 102 mm, apanhado de surpresa ancorado ao largo de Zanzibar.

 

    O cruzador alemão começa a disparar a 7.500 metros de distância, quando os canhões do velho navio britânico não atingiam alvos a mais de seis mil metros. No combate e no bombardeamento da estação local de TSF, o Königsberg gasta trezentas insubstituíveis granadas, além de muito carvão, pelo que procurou refúgio para lá da ilha de Chumbe, passando por um estreito, de cuja costa os ingleses observavam. Para não ser perseguido por unidades superiores da marinha britânica, o Königsberg larga velhos tambores de óleo com areia à vista de toda a gente que acreditou tratarem-se de minas.

 

    Como os britânicos não possuíam naquelas paragens caça-minas não se atreveram a passar por aquele estreito durante toda a guerra. As máquinas do Königsberg estavam bastante gastas; seis caldeiras tinham os tubos furados, o ebulidor já não vedava e havia fugas na válvula do colector de alta pressão. O navio só muito a custo podia ainda dar uns quinze nós, pelo que foi procurar refúgio no delta pantanoso do Rufigi, rodeado de florestas, a uns cem quilómetros ao norte de Dar-es-Salam.

 

    Aí travou um combate naval na floresta contra os cruzadores britânicos Hyacinth, Weymouth, Pioneer e Pyramus, além do paquete porta-aviões Kinfauns-Castle e os paquetes armados Laurentie e Laconia e os dois monitores Mersey e Severn e uma série de navios patrulha. Tudo sem saberem que o navio alemão não estava em condições de travar muita luta no mar, nem tinha munições em quantidade suficiente.

 

   Mesmo assim, o combate durou semanas. Apoiados pelo fogo dos cruzadores e conduzidos pelos sinais dados pelos aviões, os dois pequenos monitores de rio de 1200 toneladas, armados com duas peças de 150 mm e dois obuses de 120 mm em escudos blindados, entram no delta até chegarem a uma posição de onde poderiam atingir o Königsberg. Facilmente, julgavam os ingleses, mas a resposta artilheira do cruzador alemão, guiada por vigias escondidos na floresta não se fez esperar e, apesar da falta de munições, o tiro alemão fez grandes estragos, mas não conseguiu impedir a destruição do cruzador, fechado como estava num rio e observado do ar por aviões que regulavam o tiro dos monitores. A sua guarnição continuou apeada a luta naquela imensa e paupérrima colónia alemã que dava pelo nome de África Oriental Alemã e hoje é a Tanzânia.

 

    Com o fim dos cruzadores ligeiros Königsberg, Emden e Dresden e, portanto, depois da derrota do esquadrão de Von Spee nas Falkland, os alemães ficaram só com alguns navios mercantes armados que fizeram guerra de corso ao longo dos quatro anos que durou o conflito com efeitos mais psicológicos que materiais. Só a arma submarina é que chegou a provocar danos verdadeiramente importantes no tráfego marítimo dos aliados, mas mesmo assim, depois de 1916, quando a sorte do conflito dependia tão-somente do número de milhões de jovens soldados que deveriam morrer nas trincheiras.



publicado por DD às 19:00
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?


mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


posts recentes

Batalha Naval na Selva

arquivos

Outubro 2017

Maio 2017

Abril 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Setembro 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Agosto 2015

Dezembro 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Agosto 2013

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Outubro 2011

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Dezembro 2008

Agosto 2008

Junho 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Dezembro 2007

Junho 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

tags

1900 - ano de paz

1904: guerra russo-japonesa

ártico

batalha da jutlândia

batalha das falklands

batalha de midway

batalha de tsushima

batalha do atlântico

batalha do mar amarelo

batalha naval na selva

bluecher

canhão e couraça

corrupção

couraçado lion

couraçado petropavlotch

couraçado queen elizabeth

couraçado scharnhorst

cruzador de batalha derflinger

cruzador vasco da gama

dieter dellinger

dieter dellinger - arquitetura naval

dieter dellinger - envc

dieter dellinger - história náutica

dieter dellinger - motores navais

dreadnought

guerra

guerra da coreia

guerra no mar

guerra russo-japonesa

guerra submarina

i guerra mundial

i. guerra mundial

i.guerra mundial

israel

kamikazes

marinha

nau

navios

paulo portas

petróleo iraniano

revista de marinha

revista de marinha - dieter dellinger

revista do mar

seydlitz

shipping

submarino borei

submarino gymnote

submarinos

submarinos u209pn

torpedo e submarino

u-9

world explorer.

todas as tags

links
contador
Contador de visita
Contador de visita
online
web counter
blogs SAPO
subscrever feeds