Aqui o autor - Dieter Dellinger - ex-redator da Revista de Marinha - dedica-se à História Náutica, aos Navios e Marinha e apresenta o seu livro "Um Século de Guerra no Mar"
Sábado, 2 de Janeiro de 2016
Tudo Arquivado Sem Investigação apesar de Existir um Processo Alemão de Corrupção Ativa

 O Ministro da Defesa continua à espera que a Procuradora Geral da Justiça entregue ao Estado Lesado o processo alemão sobre os submarinos.

O processo, segunda a lei alemã, é secreto por envolver material militar, mas não para o Estado Comprador e, menos ainda, para o Ministério da Defesa e Marinha de Guerra que conhecem os segredos técnicos do material que compraram.

Apesar do processo estar prescrito, o Ministério da Defesa e o Estado Maior da Marinha têm o dieito de receberem o processo, que mais não seja para saberem se houve miliytares portugueses envolvidos na burla, o que parece que não, mas não se deve deixar a honra de qualquer oficial na dúvida. 

Do Jornal "Público":

Paulo Portas aceitou pagar 30 milhões de euros a mais pelos dois submarinos adquiridos ao consórcio alemão German Submarine Consortium (GSC), em 2004, quando assumia a pasta da Defesa. Apesar de o ex-ministro ter pedido que a qualidade do equipamento fosse reduzida, por questões económicas, aceitou pagar o valor inicialmente acordado pelos navios.

 

Segundo um documento de 29 de Abril de 2004 do responsável pelo Grupo de Projecto dos Novos Submarinos (GPSS), capitão-de-mar-e-guerra Rui Rapaz Lérias, hoje citado pelo “Jornal de Notícias”, o preço dos submarinos, 712 milhões de euros, “não sofreu qualquer alteração relativamente ao valor da adjudicação”, apesar da “configuração dos submarinos ter sido degradada”.

Paulo Portas enviou na altura ao GPSS uma “orientação no sentido de se reduzirem as capacidades dos submarinos tendo em vista reduzir o seu preço de aquisição”. O responsável do GPSS indica no mesmo documento citado pelo “JN” que a orientação de Portas foi seguida e as reduções das capacidades técnicas dos submarinos ficaram avaliadas em valores de 18 a três milhões de euros, chegado a um valor total de 21 milhões de euros. Foi ainda contabilizada uma outra redução de dez milhões por se abdicar do empréstimo de dois submarinos usados que a Armada portuguesa iria usar até chegar o novo equipamento. Ficaria, assim, prevista uma redução de cerca de 30 milhões de euros. Porém, segundo contas do relatório do GPSS, estes cortes não se verificaram na factura paga pelo Estado. Assim, no contrato assinado entre o ex-ministro Paulo Portas e o consórcio alemão configuram os 712 milhões de euros inicialmente acordados, ou seja, “não houve qualquer alteração relativamente ao valor da adjudicação”, segundo o relatório do comandante Rui Rapaz Lérias. Paulo Portas recusou-se a reagir de imediato a este relatório, remetendo para amanhã ou quarta-feira uma reacção ao documento.

 

In: Publico

 

Esta história ainda está muito mal explicada... Aguarda-se novos episódios

 

Desapareceram documentos do negócio dos submarinos

11.08.2012 Por: feeds

  • Artigo
  • Procurador escreveu que “grande parte dos documentos referentes ao concurso público” não estão na DefesaSUMIRAM OS DOCUMENTOS DA EQUIPA DE PAULO PORTASGrande parte da documentação dos submarinos desapareceu do Ministério da Defesa. Sumiram, em particular, os registos das posições que a antiga equipa ministerial de Paulo Portas assumiu na negociação.Nos últimos anos, já tinha sido noticiado o desaparecimento de vários documentos do negócio concretizado, em 2004, quando Durão Barroso era primeiro-ministro e Paulo Portas ministro de Estado e da Defesa Nacional.O que está em causa é uma espécie de eclipse total de certo tipo de documentos: “Não foram encontrados quaisquer registos escritos da posição assumida pelos elementos do Ministério da Defesa Nacional, designadamente, na fase imediatamente anterior à assinatura dos contratos de aquisição, contrapartidas e financiamento”, afirma o magistrado João Ramos.No decurso de buscas junto de advogados e outras diligências da investigação, o DCIAP até recolheu um considerável acervo documental – cerca de 89 mil ficheiros e 24 mil e-mails, em suporte digital e em papel masnenhum registo das posições assumidas pelos membros da equipa ministerial de Paulo Portas até à assinatura dos três contratos dos submarinos, tidos como lesivos para o Estado (ver textos secundários).Paulo Portas, agora ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros está de férias e, contactado pelo JN, afirmou-se indisponível para responder às perguntas que lhe foram dirigidas através do seu assessor.O DCIAP começou por procurar a documentação relacionada com os contratos de aquisição, financiamento e contrapartidas dos submarinos junto do Ministério da Defesa, quando já era primeiro-ministro José Sócrates. Mas, recorda o DCIAP em despacho de junho deste ano, “não foi ali encontrada a maior parte da documentação relacionada com os contratos”. Como naquele ministério “foi sugerido que a mesma [documentação] seguramente se encontraria nos escritórios da Sérvulo Correia” sociedade de advogados que assessorara o Ministerio no negócio, através de uma equipa coordenada por Bernardo Ayala-, o DCIAP fez buscas. Na Sérvulo Correia, na casa e no novo local de trabalho de Ayala (sociedade de advogados Uria & Menendez), bem como nos escritórios da Vieira de Almeida & Associados, que assessorara o GSC. Todavia, não foi encontrado qualquer registo escrito das posições da equipa do Ministério da Defesa.Após adjudicar os submarinos, em novembro de 2003, o Ministério da Defesa envolveu-se em negociações com o German Submarine Consortium (CSC), para fixar em definitivo as características dos navios e as compensações para a indústria portuguesa, nos contratos de aquisição e de contrapartidas, assinados em 2004.0 contrato de financiamento, esse, negociou-o com o consórcio Banco Espírito Santo/Crédit Suisse.0 GSC venceu o concurso com dois submarinos por 712 milhões de euros, mais logística (peças sobressalentes, formação, etc.) de 133 milhões de euros. Mas, após a adjudicação, o então ministro da Defesa, Paulo Portas, mandou reduzir as capacidades e a logística dos submarinos, para fazer baixar o preço final. Tais reduções foram discutidas entre o CSC e o Grupo de Projeto de Novos Submarinos (GPSS), composto por militares, mas a decisão final coube ao Grupo de Apoio do Ministro. Oito dias após a assinatura do contrato, um relatório do diretor do GPSS, capitâo-de-mar-e-guerra Rui Lerias, revelou: “0 preço dos submarinos (712 milhões de euros) não sofreu qualquer alteração relativamente ao valor da adjudicação, embora (…) a configuração dos submarinos tenha sido degradada”. A 18 de abril de 2011, o JN noticiou aquele relatório, que apontava para um benefício dos alemães à volta de 30 milhões de euros, mas Paulo Portas alegaria que, a par da redução das capacidades, também “foram introduzidas várias alterações que melhoraram as capacidades” dos navios pelo que “chegou-se efetivamente ao valor inicial de 712 milhões de euros”. Com mais 57 milhões em logística, o contrato ficou por 769 milhões.O Estado pagou pelos submarinos 1001 milhões, graças ao contrato de financiamento negociado com o consórcio Banco Espírito Santo/Crédit Suisse First Boston International, que concedeu uma espécie de empréstimo. Uma cláusula do contrato previa, até este entrar em vigor, uma atualização diária de 230 mil euros, noticiou a “Visão”. Como o contrato só entrou em vigor em setembro, isso custou mais 64 milhões. A fatura aumentou ainda mais por força de uma renegociação do spread (lucro bancário) que o fez subir de 0,196% para 0,25%.O Governo assinou com o GSC um contrato de contrapartidas no valor de 1210 milhões de euros. As estimativas sobre o seu cumprimento nem sempre têm batido certo e o JN não conseguiu apurar a taxa atual, mas as últimas notícias, de novembro de 2011, indicam que só tinham sido executados 31,5%. 0 contrato está prestes a terminar e prevê que o GSC terá uma penalização de 10% do seu valor, caso não seja cumprido. Além disso, ficou escrito que eventuais conflitos serão dirimidos não pelos tribunais, mas por mera arbitragem.Investigação continua presa a cartas rogatóriasNão foi possível apurar se Suíça e Reino Unido já responderam às rogatórias. A Alemanha está há três anos para enviar documentos apreendidos na Ferrostaal (empresa do consórcio vendedor dos submarinos, a par da Thysssen e HDW). A Ferrostaal contestou a apreensão, em tribunal, e o caso arrastasse. Algo estranho, atendendo a que a justiça alemã iniciou o seu próprio processo dos submarinos depois de Portugal e já condenou dois arguidos e impôs uma multa de 139 milhões de euros à Ferrostaal, por terem pago 62 milhões de euros em subornos para venderem submarinos à Grécia e a Portugal. À justiça portuguesa caberá seguir o rasto dos milhões.Cândida Almeida, diretora do DCIAP, tem invocado demoras na resposta de países estrangeiros a cartas rogatórias para justificar atrasos na investigaçãoA FORMA COMO foram negociados os contratos dos submarinos e o facto de o advogado Bernado Ayala ter coordenado a equipa da Sérvulo Correia que assessorou o Ministério da Defesa nas negociações levou o DCIAP a investigar o jurista pelo crime de prevaricação, num processo autónomo.Um colega de Ayala, Ricardo Guimarães, também foi constituído arguido pelas mesmas razões, em 2009, mas livrar-se-ia desse estatuto por decisão da juíza Fátima Mata Mouros, da Relação de Lisboa.
  • Jornal Notícias |
  • sábado, 11 Agosto 2012
  • Mas, em junho último, o DCIAP arquivou esse inquérito (sem interrogar o arguido). Sustentou que o advogado até “alertou os decisores políticos sobre os limites da cedência por parte do Estado”, fazendo-lhes notar que “certos vetores da negociação ultrapassavam a esfera jurídica, pelo que os seus contornos se reconduziriam sempre a opções políticas”.
  • Ayala alertou para “limites da cedência do Estado”
  • Mais adiantado está o processo das contrapartidas. Em setembro, sete portugueses e três alemães devem começar a ser julgados, por crimes de burla e fraude fiscal que lesaram o Estado em 33,9 milhões de euros, valor respeitante apenas às contrapartidas concedidas ao agrupamento automóvel ACECIA, pois as restantes não foram investigadas.
  • O INQUÉRITO PRINCIPAL dos submarinos está dependente das cartas rogatórias enviadas à Alemanha, tem afirmado a diretora do DCIAP, Cândida Almeida, para justificar os atrasos da investigação, iniciada em 2006 e sem arguidos, sobre crimes de corrupção, participação económica em negócio e branqueamento.
  • Inquérito principal
  • Contrato das contrapartidas
  • Contrato de financiamento
  • Contrato de aquisição
  • NEGÓCIO CONTURBADO
  • GOVERNO PS MANDOU PROCURAR NA SÉRVULO
  • Por isso, “a tentativa de ‘reconstrução’ das fases de negociação e elaboração daqueles contratos baseou-se, essencialmente, nos documentos e correspondência elaborados e remetidos pelo arguido Bernardo Ayala e seus colegas na Sérvulo Correia & Associados para os diversos intervenientes em todo o procedimento concursal”, lamenta o DCIAP, aparentemente, conformado: “Não se vislumbra a realização de outras diligências úteis para os presentes autos”.
  • Os contratos foram assinados em abril de 2004, cinco meses após o Conselho de Ministros ter decidido o concurso e adjudicado os submarinos ao German Submarine Consortium (GSC), em novembro de 2003.0 interesse do DCIAP por aquele conjunto de documentos prende-se com a suspeita de os elementos do Ministério da Defesa não terem privilegiado os interesses do Estado português naqueles cinco meses em que negociaram os contratos.
  • Mas, agora, é o próprio Ministério Público não só a reconhecer o problema como a atribuir-lhe uma dimensão que vai para além dos casos pontuais já noticiados.
  • “Apesar de todos os esforços e diligências levadas a cabo pela equipa de investigação, o certo é que grande parte dos elementos referentes ao concurso público de aquisição dos submarinos não se encontra arquivada nos respetivos serviços [da Defesa], desconhecendo-se qual o destino dado à maioria da documentação”, escreveu o procurador João Ramos, do Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP), em despacho de 4 de junho que arquivou o inquérito em que era visado apenas o arguido e advogado Bernardo Ayala (o processo principal continua em investigação).
  • Nelson Morais
  • Submarinos MP desconhece “destino dado à maioria da documentação ” do concurso para a aquisição
  • Desapareceram documentos do negócio dos submarinos


publicado por DD às 18:48
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?

1 comentário:
De Sam a 2 de Janeiro de 2016 às 20:54
Feliz 2016!!!
Para quem gosta de redes sociais e quer ganhar uns € extra inscrevam-se na Tsu! É só por convite!
Deixo aqui o link para os interessados: https://www.tsu.co/Samuelgo
Nota: A linguagem principal do site é o inglês mas existem bastantes utilizadores cuja língua base é o português (essencialmente do Brasil e Portugal)


Comentar post

mais sobre mim
pesquisar
 
Maio 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
23
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

Navio "Atlântida" proporc...

Coreia: Desencontros mili...

Submarino USS West Virgin...

Chris Bertish completa tr...

A Mentira do Fim das Pesc...

Expresso: Ana Gomes quer ...

10 Corvetas Modernas

Graneleiro Afundado no Me...

Nova Crise do "Shipping"

Offshores Escondem Dinhei...

arquivos

Maio 2017

Abril 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Setembro 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Agosto 2015

Dezembro 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Agosto 2013

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Outubro 2011

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Dezembro 2008

Agosto 2008

Junho 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Dezembro 2007

Junho 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

tags

1900 - ano de paz

1904: guerra russo-japonesa

ártico

batalha da jutlândia

batalha das falklands

batalha de midway

batalha de tsushima

batalha do atlântico

batalha do mar amarelo

batalha naval na selva

bluecher

canhão e couraça

corrupção

couraçado lion

couraçado petropavlotch

couraçado queen elizabeth

couraçado scharnhorst

cruzador de batalha derflinger

cruzador vasco da gama

dieter dellinger

dieter dellinger - arquitetura naval

dieter dellinger - envc

dieter dellinger - história náutica

dieter dellinger - motores navais

dreadnought

guerra

guerra da coreia

guerra no mar

guerra russo-japonesa

guerra submarina

i guerra mundial

i. guerra mundial

i.guerra mundial

israel

kamikazes

marinha

nau

navios

paulo portas

petróleo iraniano

revista de marinha

revista de marinha - dieter dellinger

revista do mar

seydlitz

shipping

submarino borei

submarino gymnote

submarinos

submarinos u209pn

torpedo e submarino

u-9

todas as tags

links
contador
Contador de visita
Contador de visita
online
web counter
blogs SAPO
subscrever feeds